(14) 3454-8057 | 3324-1077

Notícias

CUT convoca mobilização por auxílio emergencial de R$ 600,00

CUT e centrais sindicais promovem no dia 24 de março “Dia Nacional de Luta em defesa da vida; da vacina; do emprego e do auxílio emergencial de R$ 600

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) continua empenhada na luta pela retomada do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600,00 e na mobilização nacional em protesto pela aprovação dos novos valores de R$ 150,00 e R$ 250,00 propostos pelo governo de Jair Bolsonaro.

Com o fim do pagamento do auxílio de R$ 600,00 – R$1.200,0 em dezembro, a extrema pobreza no país já atingiu quase 27 milhões de pessoas, o equivalente a 12,8% da população brasileira, já em janeiro deste ano, conforme levantamento da Fundação Getúlio Vargas baseado em dados das Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios (Pnads) Contínua e Covid-19.

Apesar da gravidade do problema e com tantos brasileiros expostos à fome e à miséria e ao invés de combater a pandemia e contribuir para o isolamento social, o governo Bolsonaro levou quase quatro meses para viabilizar um novo benefício. Desta vez com valores tão irrisórios que não garantem o sustento de uma só pessoa e muito menos de uma família em situação de vulnerabilidade.

Para o vice-presidente da CUT, Vagner Freitas, a proposta do governo de “pagar menos da metade do antigo auxílio e ainda retirar recursos da saúde e da educação e impor novas regras fiscais demonstram que Bolsonaro não tem compromisso com a vida do povo brasileiro”.

”A proposta da CUT é para que o trabalhador fique em casa e não trabalhe. Não é para o bancário em home office tentar vender produtos do banco. É para o trabalhador cobrar a vacina, um auxílio decente, por que este governo não garante a sua vida. A ideia não é ficar em casa passando fome e trabalhando, é cada um à sua maneira pressionar o governo, cobrar dos seus deputados. É dia de reflexão e luta pela vida – Vagner Freitas

“É esta perversidade que deve ser combatida e por isso a CUT mantém a sua defesa por um auxílio de R$ 600. O governo Bolsonaro não tem compromisso com os pobres, o seu compromisso é manter a fortuna dos ricos”, afirma o dirigente cutista.

Diante da falta de capacidade de Jair Bolsonaro para conduzir o país no momento mais grave da pandemia e da crise econômica, a CUT e demais entidades sindicais promovem no próximo dia 24 de março o Lockdown no Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida; da Vacina; do Emprego e do Auxílio Emergencial de R$ 600.

O vice-presidente da CUT, Vagner Freitas, explica o objetivo da mobilização nacional encabeçada pela Central. ”A proposta da CUT é para que o trabalhador fique em casa e não trabalhe. Não é para o bancário em home office tentar vender produtos do banco. É para o trabalhador cobrar a vacina, um auxílio decente, por que este governo não garante a sua vida. A ideia não é ficar em casa passando fome e trabalhando, é cada um à sua maneira pressionar o governo, cobrar dos seus deputados. É dia de reflexão e luta pela vida”, afirma o dirigente.

“É o momento de cobrar os governantes porque enquanto o Legislativo e o Executivo brigam, quem morre é o povo. Por isso, é preciso lutar pela vacina, pelo auxílio, pela vida”, enfatiza.

Insegurança alimentar e exclusão social

Sobre o novo auxílio emergencial, a previsão é que sejam feitos quatro pagamentos de R$ 150 para famílias com uma só pessoa, cerca de 20 milhões de beneficiados. Outras quatro parcelas de R$ 250 deverão ser pagas a 16,7 milhões de beneficiários que moram com outras pessoas no domicílio, e R$ 375 para 9,7 milhões de mães que sustentam sozinhas seus filhos.

O novo auxílio ainda deixará de fora mais de 28 milhões de desempregados e informais que receberam o benefício no ano passado o benefício.

De acordo com levantamento mensal feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os R$ 150 só compram 23% da cesta básica em São Paulo, 29%, em Belém e 31%, em Salvador. Com R$ 250 é possível comprar 39%, 49% e 52% da cesta nas capitais paulista, paraense e baiana, respectivamente.

Já um benefício de R$ 375 às mães terá o poder de comprar 59% da cesta em São Paulo, 73% em Belém e 78% em Salvador, segundo cálculo foi feito pelo jornalista Leonardo Sakamoto, em seu blog no UOL.

Para o economista e especialista em políticas públicas Francisco Menezes, que atuou no Ministério de Combate à Fome, no governo do PT, esses valores são absolutamente insuficientes para dar segurança alimentar a quem precisa.

“Quando foram reduzidos para a metade os valores do auxílio, de setembro a dezembro, já naquele momento houve um aumento significativo da fome no país. Os R$ 300 já não davam. O Datafolha mostrou que do total de pessoas que recebiam o auxílio pela metade, 36% estavam sem nenhuma renda e dependiam completamente do benefício para sobreviver”, diz Francisco, se referindo ao período em que Bolsonaro ampliou o prazo de pagamento, mas reduziu o valor em 50%”, explica Menezes.

Segundo ele, também a falta do pagamento de um novo auxílio desde janeiro deste ano foi uma enorme irresponsabilidade do governo, o que impactou tanto em relação à situação de extrema pobreza da população como no combate à crise sanitária.

“Sem dinheiro, sem comida, sem nada que garanta a sobrevivência, as pessoas não ficam em isolamento. O que aconteceu e está acontecendo é a mais completa irresponsabilidade da Presidência e de parte do Congresso Nacional que deixaram acabar o auxílio em 31 de dezembro. Não se marca data para acabar com a calamidade”, afirma.

Dia nacional pelo auxílio de R$ 600,00

Nesta quinta-feira (18), o movimento ‘ Renda Básica Que Queremos’, formado por cerca de 300 entidades e responsável pela campanha #AuxílioAtéoFimdaPandemia, promove um dia nacional de luta pela volta do auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia.

Estão previstas manifestações em todo o país, como tuitaço e publicações nas redes sociais, colagem de cartazes, projeções em prédios e atos simbólicos. Entre as ações, serão instaladas panelas vazias e velas diante de espaços como sedes de prefeituras, câmaras de vereadores, igrejas e símbolos turísticos das cidades.

De acordo com a assistente social Paola Carvalho, diretora de relações institucionais da Rede Brasileira de Renda Básica, o dia de protestos é uma forma de mobilizar as pessoas para a urgência do tema. “Essa PEC Emergencial colocou um teto de gasto de 44 bilhões para o auxílio emergencial em 2021. Isso num momento onde as mortes estão cada vez maiores e a vacinação e condições de hospitalização cada vez mais frágeis”.

Os movimentos também alertam que as principais regiões do país precisam de um lockdown, e sem auxílio emergencial essa forma de isolamento social não se viabiliza. (RBA)

Da Redação, com site da CUT

Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Motéis, Apart - Hotel, Flats, Restaurantes, Lanchonetes, Fast Food, Bares e Similares de Marília, Ourinhos, Assis e Região
R. Cel Jose Bras, 367 - Centro - Marilia/SP - Fones: (14) 3454-8057 | 3324-1077
e-mail: email.sinthoressou@ig.com.br

Cialis NZ cialis generic nz Viagra Pills Nz , Viagra Online Nz viagra nz KAMAGRA QUE ES,KAMAGRA GEL QUE ES,KAMAGRA 100 MG QUE ES,KAMAGRA ORAL JELLY QUE ES,KAMAGRA 100MG kamagra 100mg Cialis Prijs Belgie,Cialis Prijs Apotheek,Cialis Prijs Apotheek Belgie cialis belgie CIALIS PAS CHER,CIALIS GENERIQUE,CIALIS 20MG cialis 20mg Super Kamagra Belgique,Super Kamagra Avis,Super Kamagra Effet Secondaire kamagra belgique